UTILIDADE sansaomachava

Efermeiras exigem dinheiro a Gestantes para saírem da Maternidade com o Bebê vivo

Em Moçambique as Mulheres já não choram de Dor no momento do parto, mas pela forma como são atendidas para trazerem ao mundo um Bebê. Por essa razão, a Sociedade Cívil resolveu colocar o dedo na ferida, denunciando que muitas mulheres são exigidas valores monetários nas maternidades para terem um atendimento condígno.

“Muitas Mulheres continuam a atravessar diferentes barreiras. A primeira é a confiança em relação aos partos nas unidades sanitárias.

Se os partos nas unidades sanitárias forem condicionados ao amarrar dinheiro na capulana, a existéncia do Dinheiro na Ficha, a uma violência quando a pessoa não aceita colaborar com a corrupção, as Mulheres vão continuar a resistir ir a uma unidade sanitária para o Parto.

São colocadas na unidade sanitária durante horas, sem qualquer assistência. Como mencionamos aqui, que uma gestante durante o parto, o Bebê caiu, e bateu com a cabeça, e acabou perdendo a vida no local”, disse uma das representantes da Sociedade Civíl.

Uma outra representante da Sociedade Civíl chegou a falar que quando as mulheres vão a maternidade clamam o céu e a terra para voltar a casa com o Bebê vivo.

“Dar a Luz, é o termo muito usado em Moçambique para simbolizar o nascimento, mas o que as mulhers passam nas mat ernidades não tem nada de Luz, tem de trevas, e isso é importante reconhecer.

Advertisement

Quando as mulheres vão a maternidade tem que clamar o céu e a terra para sairem são e salvas com o seu Bebê”, acrescentou.

Na ocasião, uma das “vítimas” do mão atendimento nas maternidades moçambicanas, contou o drama que passou nos Hospital provincial da Matola.

“Informei a enferméira que ela tinha que ser feita indução ou uma Cesariana, por que o Bebê não havia virado. Elas não quiseram dar ouvidos.

Voltei a informar que a médica já havia me informado que me seria feita indução ou cesariana, mas elas me insultaram, me chamaram de porca, desligaram a lâmpada e foram-se embora.

Voltaram a entrar agressivamente, acredito que queriam me agredir, mas infelizmente apaguei, e acordei no Hospital Central de Maputo (…) Senti que já não tinha Bebê, e perguntei ao médico ‘onde é que está o meu Bebê?’, e ele disse que Morreu, e que estava no Hospital provincial da Matola”, disse ela em lágrima.

Advertisement
Advertisement

| Website

Editor chefe do Moz Massoko, empreendedor digital, Trabalho também com marketing de afiliados, nos tempos livres gosto de aprofundar os meus conhecimentos sobre internet Marketing.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
%d blogueiros gostam disto: